Milagre

A casa é paupérrima. Os tempos são difíceis. Não há trabalho, ainda mais para uma viúva que só sabe cuidar de casa.

A mulher olha para o filho. O menino franzino reclama da dor na barriga. Josué é o seu nome. Está com fome. A mãe submerge em pensamentos. Lembra a fartura da casa quando seu marido ainda vivia. Olha para o menino. Deixa rolar uma lágrima no olhar agora distante, fixo no infinito.

“É preciso fazer render a comida…”, “peixe salgado e pão seco…” – pensa. Põe a comida num saco. Instrui o menino para vender na cidade. Os tempos estavam difíceis para todos.

Josué sai cambaleante na direção da cidade. Falta-lhe a força. A barriga dói de novo, mas ele não pode comer. “É preciso fazer render a comida”, essa foi a ordem da mãe.

Numa encosta próxima, encontra uma multidão que fervilha assentada ao sol escaldante. Josué quer saber do que se trata. Pergunta a um e outro, mas houve respostas que não entende direito. Nesse instante uns homens barbados o abordam e pedem sua sacola preciosa. Ele reluta: “é preciso fazer render a comida…”. Os homens garantem que devolverão a comida e o convencem. Estranhamente o menino crê contra a evidência da dor de barriga e entrega a sacola. O menino presencia o impossível. Uma matemática absurda e divina. Na sacola havia cinco pães e dois peixinhos. Vê cinco mil pessoas sendo alimentadas com a sua pouca comida da sacolinha. O menino come e agora ouve atentamente o autor do milagre. O peixe era muito bom, o pão não estava mais seco.

Forças renovadas, corre rapidamente para a casa da mãe. Afoito, atropela as palavras, atrapalha-se no cansaço. Entrega para a mãe a sacola cheia de comida. Refaz-se. Conta, chora, sorri, impressiona, testemunha.

Segura a mão da mãe e a conduz em direção àquele que fez o milagre: o  profeta Jesus, o nazareno. A comida rendeu. Sua fome do corpo estava saciada. Sua fome da alma também.

(ATENÇÃO: esta obra é protegida ela Lei de Direitos Autorais e foi registrada. É permitida a publicação em sites e blogs desde que citado o autor e a fonte com link. Para publicações em livros e e-book pagos, envie um e-mail para aldairars60@gmail.com para receber a autorização gratuita).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s