Lágrimas da Memória

A saudade dilui-se no mar da alma
Destilando orvalho no jardim da dor
Reconstrói o sofrer da lembrança distante
Desenha flores roxas na neblina
Enquanto chora a memória flor

A saudade banha-se nas faces do luar
Reluz no olhar da imensidão
Como folhas soltas ao vento
Qual encantos de lágrimas errantes

A saudade escancara gritos surdos
Agrilhoa sentimentos intocáveis
Qual imagens etéreas presas no vento
Esvoaçando na viajem do sonhar

A saudade corre em trilhas escuras
Pelas frestas de muralhas de orquídeas
Expulsa calmarias repentinas
Em lúcidos devaneios do olhar:

Brinda o ocaso da existência

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s