Ilha das flores (?)

(Baseado no filme-documento “Ilha das Flores”. O documentário de 1989 fala de uma pequena ilha que era um lixão, na periferia de Porto Alegre, onde o dono do terreno deixava primeiro seus porcos comerem os restos, depois deixava os humanos miseráveis catarem comida por cinco minutos cada grupo de tantas pessoas. Por fim, as pessoas, inclusive muitas crianças, catavam os restos junto com a criação de porcos)

Lucro! É tudo o que importa
Lucro! Quanto mais , melhor
Lucro! A ética não suporta
Lucro! Sempre mais e melhor
Lucro! É tudo o que importa
Lucro! Que ao pobre fecha a porta
Cap…
Capit…
Capitalis…
Capitalismo. Selvagem?
Não, capitalismo canibal!
Capitalismo canibal devora dinheiro
Devora razão, escrúpulos, família,
Vida, compaixão, consciências…. humanos!

Poucos com muito e muitos com porcos
Legião de miseráveis
Mortos vivos famintos vidrados pelo lixo
Buscam o pão no meio do intragável
(lixo capital ou capitais do lixo?)

Ilha das flores
Flores? Que flores?
Flores ou dores?
Ilha de dores
Horrores

No princípio o sistema criou o porco e o homem
Primeiro o porco, depois o homem
E assim o porco teve a primazia sobre o homem
Mais vale o porco (porque dá lucro)
Do que gente com fome
Ilha das flores: produto miséria
Do capitalismo canibal

Cinco minutos para comer!
Cinco minutos: eternidade e piscar de olhos
Primeiro minuto: latas, papéis…
Segundo minuto: cascas, latas de novo…
Terceiro minuto: sacos plásticos, papel higiênico…
Quarto minuto: areia, titica (meu Deus, meu almoço!)…
Quinto minuto: três tomates podres! (o almoço está salvo!)
Três tomates podres!!!
Porco e homem se confundem na latrina do capitalismo
Basta!
Quero liberdade!
Ah! Suave liberdade
Ah! Amada liberdade
Liberdade e igualdade: a indigestão do capitalismo canibal
Liberdade à consciência, para falar,
Liberdade para pensar, para agir,
Liberdade para brincar, para criar,
Liberdade para comer, para pintar,
Liberdade para aprender, para ensinar,
Liberdade ao ser humano
Liberdade para viver!

“Liberdade
Não há ninguém que explique
E ninguém que não entenda”

*ATENÇÃO: esta obra é protegida pela Lei de Direitos Autorais (Lei 9.610/989) e foi registrada. É permitida a publicação em sites e blogs desde que citado o autor e a fonte com link. Para ser publicada em livros e e-book pagos, envie um e-mail para aldairars60@gmail.com para poder receber a autorização gratuita para a publicação.

**As fotos foram retiradas do Google. Se você é o dono de alguma delas, entre em contato, para que possamos dar os devidos créditos.

Publicidade

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s