Convivendo com o deficiente visual ou cego

  • Ofereça sua ajuda sempre que a pessoa cega parecer necessitar.
  • Mas não ajude sem que ele (a) concorde. Sempre pergunte antes de agir. Se você não souber como ajudar, peça explicações de como fazê-lo.
  • Para guiar uma pessoa cega, ELA deve segurar-lhe pelo braço, de preferência, no cotovelo ou no seu ombro. Não a pegue pelo braço; além de perigoso, isso pode assustá-la. À medida que encontrar degraus, meios fios e outros obstáculos, vá orientando-a verbalmente em tom de voz normal. Em lugares muito estreitos para duas pessoas caminharem lado a lado, ponha seu braço para trás de modo que a pessoa cega possa segurar e seguir-lhe.
  • Ao ir embora, informe a pessoa cega que vai sair. É desagradável para qualquer pessoa ficar falando sozinho. Não evite palavras como “cego”, “olhe” ou “veja”; as pessoas cegas também as usam com naturalidade.
  • Ao explicitar direções para uma pessoa cega, seja o mais claro e específico possível. Não se esqueça de indicar os obstáculos que existem no caminho que ela vai seguir. Como algumas pessoas cegas não tem memória visual, não se esqueça de indicar as distâncias em metros ou passos (p.ex. “uns vinte passos para frente”). Mas se você não sabe corretamente como direcionar uma pessoa cega, diga algo como “eu gostaria de lhe ajudar, mas como é que devo descrever as coisas?” Ele (a) lhe dirá.
  • Ao guiar uma pessoa cega para uma cadeira, guie a sua mão para o encosto da cadeira, e informe se a cadeira tem braços ou não. Num restaurante, é de boa educação que você leia o cardápio e os preços.
  • Quando você estiver em contato social ou trabalhando com pessoas com deficiência visual, não pense que a cegueira possa vir a ser problema, por isso, nunca as exclua de participar plenamente, nem procure minimizar tal participação. Deixe que elas decidam como participar. Proporcione à pessoa cega a chance de ter sucesso ou de falhar, tal como qualquer outra pessoa.
  • Quando são pessoas com baixa visão (alguém com sérias dificuldades visuais), proceda com o mesmo respeito, perguntando-lhe se precisa de ajuda, quando notar que ela está em dificuldade.
  • O cão guia da pessoa cega nunca deve ser distraído do seu dever de guia. Ele está trabalhando.
  • Uma pessoa cega é como você, só que não enxerga; trate-a com o mesmo respeito que você trata uma pessoa que enxerga.
Publicidade

Um comentário em “Convivendo com o deficiente visual ou cego

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s